terça-feira, 30 de janeiro de 2018

A vida segue...


                     
  "Mesmo sabendo que a vida acaba, a gente nunca 
está preparado para perder alguém". 

(Nicholas Sparks)


   A única certeza que temos da vida é a morte. Um dia todos nós vamos morrer, só não sabemos como, onde e quando. Mas mesmo assim ainda é muito complicado lidar com a morte.

   Quem acompanha o blog, ou se for novo aqui, deve ter percebido que ele está parado desde Julho/2017. Não porque a Erika largou o blog. Não porque ela está com outros planos. Mas porque estamos em Luto, como eu disse: A vida sempre se vai... E em julho nosso Papy se foi...

   É difícil, é intimo, falar sobre isso. Mas não devemos esconder nossa dor, e nem ter vergonha dela. E talvez a minha dor possa ser a mesma que a sua. E podemos compartilha-la, e quem sabe eu não possa te ajudar? E você me ajudar também?

   Para quem tem, ou já sofreu de depressão existe um livro muito bom, "O Demônio do Meio Dia" (ainda farei um post sobre ele), e o autor fala:

 “É bom dizer que sofre, ou sofreu, de depressão. 
Não ter vergonha disso. Faz bem para você, 
e você pode ajudar outras pessoas também”.

   Sempre que eu falo que tenho depressão (que esta controlada), muitas pessoas acabam se abrindo comigo. Desabafando. Perdendo a vergonha, o medo. Afinal, depressão é algo sério, tem tratamento e cura. Então resolvi escrever esse texto, este post. Para me abrir, e quem sabe, ajudar.

   Em agosto de 2016 nosso pai foi diagnosticado com câncer no reto, em julho de 2017 ele faleceu com embolia pulmonar devido a metátese no pulmão. Não vou entrar em detalhes sobre a doença. Mas ele lutou bravamente. Teve esperança. Teve vitória na primeira quimioterapia e radioterapia, estava bem. Feliz e confiante que iria vencer o câncer. Mas as novas sessões de quimioterapia foram mais agressivas, e o organismo desenvolveu coágulos. Numa segunda, depois de almoçar conosco, ele se foi ...

   Muita gente me falou. "Ah! Mas ele estava com câncer! Você já estava preparada pela morte dele."

NÃO!!!

   Ninguém está preparado para a morte de uma pessoa querida! E câncer não é morte! Câncer tem cura! Meu tio teve câncer, parecido com o do meu pai e está bem!

   E isso é uma coisa que me irritava muito nas pessoas. Quando eu falava que meu pai tinha câncer, as pessoas já falavam de morte! E não devemos ter esse pensamento! NUNCA! Temos que ter fé! E lutar! Mas também temos que saber lidar com o nosso egoísmo.

   Sim, às vezes somos egoístas, e prendemos as pessoas que amamos. Mesmo vendo que estão sofrendo, não queremos que ela morra. Por medo. Medo nosso. E, mesmo que doa muito, temos que deixar elas partirem...

   Não sei a dor que meu pai estava sentindo nos últimos dias. Sei que as últimas sessões de quimioterapia foram muito forte, e ele reclamava de dor e falta de ar. Meu tio que teve câncer, veio conversar comigo. E disse que ele sabe a dor que meu pai sentiu. Meu tio disse que muitas vezes, depois das sessões de quimioterapia, pensava em desistir. Pensava em morrer. Mas o que lhe dava força para continuar era os filhos, pois meus primos são dependentes financeiro dele ainda, não formados numa faculdade. Já eu e a Erika somos formadas, temos nossas profissões. Meu pai aprovou e gostava muito do meu noivo e do namorado da Erika. Então ele se sentiu que sua missão foi cumprida. Já uma tia minha, que conviveu muito com meu pai no Japão, e tem alguns problemas de saúde, me disse:

“Seu pai foi uma pessoa tão boa, que Deus o levou sem ele sentir dor. Teve uma morte rápida, em casa, do lado das pessoas que ele tanto amou”.

São palavras difíceis de ouvir. E, lógico, vem o egoísmo que falei anteriormente. Pois eu queria que ele lutasse mais. Era meu sonho que ele me levasse ao altar no meu casamento. Minha Mamy também não queria ficar sozinha, perder o companheiro dela de mais de 35 anos juntos.

   Então vem a culpa. Me culpei muito pela morte dele. A Erika se culpou. Minha Mamy se culpou. Minha prima que ajudou a coloca-lo no Hospital do Câncer em SP (um dos melhores do país), se culpou. E isso é normal, a gente se culpa por tudo! Mesmo ouvindo, sabendo, que fizemos tudo que estava ao nosso alcance, a gente se culpa.

   E dói! E a dor é horrível! É um aperto forte no coração, um nó na garganta, um vazio no estômago. Um pouco antes do meu Papy partir, eu comecei a assistir Grey´s Anatomy, e entrei numa overdose da série. Então teve um episódio, em que a personagem Cristina Yang (Sandra Oh), diz para uma menina que tinha perdido a mãe.

   “Se sua mãe morrer você vai sentir um monte de coisas. Primeiro, vai sentir que poderia ter feito mais para ajudá-la, mas isso não é verdade. Você fez tudo que podia. Não vai achar isso, mas lembre-se de mim lhe dizendo isso: você fez tudo que podia. E vai doer, toda vez que pensar nela. Mas com o tempo doera menos e menos. E eventualmente, você se lembrará dela e doerá só um pouquinho”.

   Eu senti que essas palavras eram para mim. Mas é como minha terapeuta disse:

”Você vai sim lembrar muito da morte dele, mas tente sempre se apegar nas boas lembranças que tiveram juntos. Que com certeza, vocês tiveram muito mai momentos felizes do que tristes".

   Não vou falar que é fácil, mas temos que tentar. Lógico que cada um tem seu tempo de luto, mas não podemos deixar que isso acabe com nossa vida. Tenho certeza que não é isso que meu Papy queria.

   Não sei se você acredita em espirito, em alma. Mas poucos dias depois do seu falecimento, eu sonhei com ele. Um sonho que parecia real. Onde ele falava que estava bem, não sentia mais dor e que o médico disse que ele não precisava mais tomar remédios. Ele sorria, ele estava bem, usava a roupa favorita dele. Para mim foi ele, ele falando que estava bem. E é nisso que eu acredito.

   Acredito que sim, ele partiu na hora que Deus achou que chegou. Que ele cumpriu o dever dele na Terra. E eu tenho muito orgulho dele. Foi o melhor pai que uma pessoa podia ter. Foi pai de vários sobrinhos, foi o tio que deu a primeira boneca, o tio que alugava uma casa na praia e levava todo mundo.

   Ás vezes penso que ele esta no Japão, morando lá, fazendo os passeios que gostava, comendo tudo que gostava. Vejo o sorriso dele, ouço a voz dele, sinto o perfume dele.

   E eu tenho que seguir minha vida. Porque ele não ia querer me ver triste, lamentando e parada no tempo.

   Então, para você que esta lendo, que está com uma pessoa querida doente. Não perca a Fé! Não desanime. Não seja egoísta também.

   E para você que perdeu uma pessoa querida. Tenha sim seu momento de luto. Chore sim! Tire toda angustia e tristeza do seu coração. Mas depois coloque alegria! Não é pecado sentir felicidade depois. Não é pecado rir! Não é pecado viver! Se a pessoa que partiu te ama mesmo, tenho certeza que ela não quer te ver triste. Ela quer que você siga em frente.

   E é o que vamos fazer! Para continuar dando orgulho para o nosso Papy!

   Hoje o Chat Preto volta ativa!

  Irei assumir um pouco o blog. E quando a Erika se sentir bem a voltar a escrever, ela irá aparecer. Pois cada um de nós temos nosso tempo de luto.

  E são momentos como este que quero sempre recordar. A felicidade estampada no rosto de toda a família. Sem nos importar com roupas de marca, maquiagem. A beleza está nos nossos sorrisos.



By Leticia Akemi





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...